Doenças Raras – Entenda quais são e a importância do diagnóstico

Doenças Raras – Entenda quais são e a importância do diagnóstico

Fevereiro – Mês do Dia Mundial e Nacional das Doenças Raras

 

Fevereiro é o mês em que se comemora o dia mundial e nacional das doenças raras: o dia 29, o mais raro do calendário, que só ocorre a cada quatro anos. 

A data foi criada em 2008 pela Organização Europeia de Doenças Raras (Eurordis) para promover a conscientização dessas doenças pela população geral e governantes e também buscar apoio aos pacientes e suas famílias, que necessitam de cuidados especiais, diagnóstico rápido e acessível e tratamento personalizado. 

 

O que são doenças raras?

No Brasil, são consideradas doenças raras aquelas que afetam até 65 a cada 100.000 pessoas. Estima-se que aproximadamente 13 milhões de pessoas tenham alguma doença rara no país. 

São mais de 7.000 diferentes tipos de doenças raras e cada uma delas possui sinais e sintomas bem específicos, podendo se manifestar desde o nascimento (ou mesmo antes de nascer) até na vida adulta. 

 

O que causa as doenças raras?

Existem diferentes causas para as doenças raras. De acordo com a OMS, 80% das doenças raras são de origem genética e ocorrem por alterações em genes ou cromossomos. 

Em alguns casos, as alterações genéticas são passadas de uma geração para a outra (mutações herdadas).  Em outros casos, elas ocorrem aleatoriamente em uma pessoa que é a primeira na família a ser diagnosticada (mutação nova ou ‘de novo’).

Alguns exemplos de doenças raras de causa genética:

 

Doenças raras também podem ter origem infecciosa, ambiental ou ter a causa ainda desconhecida

 

Desafios para as doenças raras 

Existem diversos tipos de doenças raras, cada uma com apresentações clínicas específicas e que podem variar até mesmo entre pacientes com a mesma doença. Essa grande variabilidade de sinais e sintomas é um desafio para o diagnóstico.

É comum que pacientes e seus pais percorram um longo caminho em busca do diagnóstico correto, uma jornada que pode se estender por anos e que envolve consultas a médicos de diferentes especialidades e realização de vários exames. 

Milhões de crianças no mundo sofrem com consequências graves que poderiam ter sido evitadas se a doença fosse diagnosticada e tratada precocemente. Geralmente, os pais descobrem que seu filho tem uma doença rara tarde demais, muitas vezes quando as consequências já são irreversíveis.

 

Diagnóstico precoce é qualidade de vida

A maioria (75%) das doenças raras de origem genética se manifestam ainda na infância. Um terço dessas crianças não atingem os cinco anos de idade.

Diante desse cenário, o diagnóstico precoce é essencial para permitir que o tratamento mais adequado se inicie o mais rápido possível garantindo mais qualidade de vida e melhor desenvolvimento físico e mental.

Em alguns casos e doenças, o tratamento pode se iniciar antes mesmo que os sintomas apareçam, fazendo com que a criança tenha um desenvolvimento normal, sem sintomas, ou com sintomas mais leves e sob controle.

Um exemplo conhecido é o caso do Théo, filho da Jornalista Larissa Carvalho, que nasceu com uma doença rara chamada Acidúria Glutárica tipo I que não tem cura, mas que pode ser controlada com dieta restrita de proteínas. 

Pela falta de conhecimento sobre testes de triagem mais abrangentes (e a raridade de sua doença), Théo só foi diagnosticado tardiamente, com sintomas graves e irreparáveis. 

Esse caso reforça o diagnóstico precoce como um fator importante a ser discutido quando se fala em doenças raras. E dentro desse contexto, a conscientização da importância da triagem neonatal é fundamental.

 

Triar para tratar

 

O que é triagem neonatal? 

A triagem neonatal é uma ação preventiva que visa identificar doenças graves com manifestação ainda na infância e que possuem tratamento eficaz disponível. 

No Brasil, todos os recém-nascidos devem fazer um exame chamado de Teste do Pezinho, um teste de triagem neonatal oferecido pelo SUS que identifica seis doenças tratáveis mais comuns na população. 

Contudo, existem centenas de outras doenças que poderiam ser identificadas logo ao nascimento e tratadas, mas que não são triadas no Teste do Pezinho devido às limitações das técnicas usadas nesse tipo de teste. Somente testes que analisam diretamente o DNA poderiam identificá-las. 

Esse é o caso, por exemplo, da Epilepsia Responsiva à Piridoxina (Epilepsia Piridoxina-dependente), Acidúria Glutárica tipo I, Distrofia Muscular de Duchenne (DMD), Síndrome de Brown-Vialetto-Van Laere, Intolerância Hereditária a Frutose, entre outras doenças. 

Por isso, nos últimos anos, o uso de testes genéticos na triagem neonatal tem aumentado, uma abordagem inovadora que permite expandir o número de doenças triadas em recém-nascidos.

 

Triagem neonatal genética

A triagem genética é uma abordagem que analisa diretamente o DNA do recém-nascido em busca de alterações genéticas que elevem o risco de desenvolver doença(s) tratáveis no futuro.

Para a triagem neonatal, os painéis de Sequenciamento de Nova Geração (NGS) mostraram ser a melhor abordagem. Um Painel é um exame genético que, utilizando o NGS, avalia variações (mutações) em vários genes simultaneamente.

Vários estudos científicos entre 2012 a 2019 demonstraram a eficiência da aplicação do NGS na triagem de doenças neonatais, confirmando resultados de exames de triagem neonatal que utilizam outras técnicas, como os bioquímicos e de espectrometria de massas, e conseguiram esclarecer casos de “falsos positivos” e inconclusivos dos testes convencionais. 

 

Teste da Bochechinha – a evolução do Teste do Pezinho

Um diagnóstico precoce impacta diretamente a vida de uma pessoa, principalmente quando se trata de um recém-nascido. Por isso, a Mendelics segue investindo no desenvolvimento e evolução de seus testes para levar mais agilidade no diagnóstico precoce e preciso, melhorando a qualidade de vida aos pacientes com doenças raras.

Com o avanço da tecnologia e do NGS, a Mendelics desenvolveu o Teste da Bochechinha, um teste de triagem neonatal que analisa o DNA do bebê e investiga mais de 320 doenças raras, que iniciam ainda na infância e que possuem tratamento disponível.

O Teste da Bochechinha é capaz de identificar bebês com alto risco de desenvolver uma doença antes mesmo de qualquer sintoma, e com isso permite que os pais realizem precocemente os procedimentos médicos de controle e tratamento necessários e direcionados. 

O Teste da Bochechinha foi desenvolvido com o objetivo de triar para tratar”. Quanto mais cedo o diagnóstico, mais eficiente é o tratamento. 

As doenças e genes do Teste da Bochechinha foram escolhidos por uma equipe médica especializada, com base em extensa revisão da literatura médica, de bancos de dados genéticos, de doenças genéticas e de casos clínicos do laboratório Mendelics. 

 

Genética & Inovação em tratamentos para doenças raras

Nos últimos 30 anos, milhares de doenças raras tiveram suas causas esclarecidas, por meio do conhecimento do nosso DNA. 

O avanço das tecnologias de análises genéticas e dos estudos de desenvolvimento de novas terapias garantiram melhorias na qualidade de vida de milhões de pessoas no mundo todo.

Estima-se que apenas cerca de 10% das doenças raras têm tratamento com medicações específicas. Embora esse número ainda seja pequeno, a cada ano o número de medicações desenvolvidas para o tratamento de doenças raras aumenta. 

De 1983 a 2018, por exemplo, o número de tratamentos aprovados pelo FDA (Food Drug Administration) passou de 10 para 650.

Hoje, pacientes com fibrose cística, por exemplo, podem contar com os medicamentos mais eficientes, desenvolvidos para tratar diferentes defeitos na proteína CFTR, baseado nas alterações específicas no gene CFTR.

Também já existem tratamentos personalizados disponíveis inclusive no SUS, como o Nusinersen, um medicamento baseado em terapia gênica para crianças com AME

Apesar dos avanços no desenvolvimento de tratamentos, muitas doenças raras ainda são desconhecidas e passam despercebidas, resultando em diagnóstico errôneo, no atraso ou, até mesmo, na falta de um diagnóstico.

A falta de conhecimento contribui para o distanciamento dos portadores de doenças raras de uma possibilidade de tratamento ou melhora na sua qualidade de vida.

Quanto mais cedo o diagnóstico de doenças genéticas raras, mais eficiente o tratamento. Por isso, reforçamos a importância da identificação de doenças tratáveis de manifestação na infância antes do início dos sintomas e contribuímos com a campanha da Eurordis do mês de doenças raras.

 


Referências

  1. https://rarediseases.info.nih.gov/diseases/pages/31/faqs-about-rare-diseases
  2. https://www.fda.gov/industry/developing-products-rare-diseases-conditions
  3. https://saude.gov.br/saude-de-a-z/doencas-rarashttps://www.interfarma.org.br/public/files/biblioteca/15-Rare%20Diseases%20-%20Site.pdf
  4. https://www.thelancet.com/journals/landia/article/PIIS2213-8587(19)30006-3/fulltext
  5. https://rarediseases.info.nih.gov/diseases/fda-orphan-drugs