Câncer Colorretal: prevenção e diagnóstico precoce

Câncer Colorretal: prevenção e diagnóstico precoce

Azul marinho: mês de conscientização sobre o Câncer Colorretal

O câncer colorretal é um tumor que ocorre na parte do intestino grosso chamada cólon, no reto e ânus. Também é conhecido como câncer de intestino ou de cólon e reto.

O mês de março recebe a cor temática azul-marinho como parte da campanha em prol da conscientização sobre o câncer colorretal. 

O câncer colorretal afeta homens e mulheres, e sua ocorrência vem crescendo a cada ano no Brasil. São mais de 40.000 novos casos por ano.

O câncer colorretal é o terceiro câncer mais comum em homens e em mulheres no Brasil. 

Se diagnosticado precocemente, tem tratamento e é curável. Por isso, a conscientização é muito importante. Compartilhe esse conteúdo, eduque e incentive as pessoas ao seu redor a se prevenir. A prevenção pode salvar vidas.

ilustração de um corpo humano com a anatomia interna de alguns órgãos e o foco no intestino grosso

Câncer Colorretal: quais são as causas e os fatores de risco?

O câncer colorretal é um tumor que se forma no fim do intestino grosso (cólon) e/ou no reto e geralmente começa com o surgimento de um “caroço” chamado pólipo.

O tumor surge devido a alterações em genes que fazem com as células escapem dos controles normais de crescimento e se dividam incontrolavelmente. 

Essas alterações genéticas podem ser herdadas dos pais, estando presentes no DNA desde o desenvolvimento embrionário, mas também podem ser adquiridas pelo próprio indivíduo durante a vida devido ao ambiente e ao estilo de vida. 

Cerca de 75% dos casos de câncer colorretal são esporádicos, ocorrendo sem uma contribuição conhecida de mutações germinativas ou histórico familiar significativo de câncer, ou doença inflamatória intestinal.

Os 10% a 30% restantes dos pacientes têm um histórico familiar de câncer colorretal: cerca de 5% a 10% possuem mutações em genes que causam as chamadas síndromes hereditárias de câncer de colorretal e estão sendo compartilhadas entre os membros da família; o restante dos casos familiais podem ser causados por compartilhamento familiar de hábitos e estilo de vida.

Conheça os fatores genéticos e ambientais que podem aumentar o risco do desenvolvimento do câncer colorretal.

  • Estilo de vida: má alimentação (pobre em fibras e rica em alimentos ultra-processados), tabagismo, excesso de consumo de bebidas alcoólicas e, principalmente, excesso de gordura corporal.
  • Idade: O risco aumenta após os 50 anos de idade.
  • Histórico familiar: Pessoas com histórico pessoal ou familiar de câncer colorretal, de outros cânceres, como o de mama e ovário, doenças inflamatórias e hereditárias do intestino ou síndromes genéticas, como a síndrome de Lynch, têm risco aumentado.
  • Genética: Alterações genéticas nos genes APC, TP53, MLH1, MSH2, MSH6 e PMS2, entre outros.

infográfico com explicações sobre os principais fatores de risco associados ao câncer colorretal

Como prevenir e detectar precocemente o câncer colorretal?

O câncer colorretal tem tratamento e é curável. Quanto mais cedo for diagnosticado maior a chance de cura.  

Para a detecção precoce do câncer colorretal, duas estratégias são utilizadas:

 

  • Rastreamento

O rastreamento é o processo de busca de câncer ou pré-câncer antes que uma pessoa tenha qualquer sintoma. O objetivo é encontrar o tecido anormal ou câncer em um estágio inicial, quando é mais fácil de tratar. 

Um pólipo pode levar até 15 anos para se transformar em câncer. Com o rastreamento, os pólipos podem ser diagnosticados e retirados antes que possam se tornar um câncer. 

Exames de rastreamento:

  • Pesquisa de sangue oculto nas fezes
  • Colonoscopia ou retossigmoidoscopia

Quem deve fazer o rastreamento?

  • Pessoas sem sinais e sintomas, mas pertencentes a grupos de médio risco (50 anos ou mais) 
  • Pessoas com alto risco (com história pessoal ou familiar de câncer de intestino, de doenças inflamatórias do intestino ou síndromes genéticas). 

 

  • Diagnóstico precoce

O diagnóstico precoce é realizado por médicos, através de exames clínicos e laboratoriais. Esses são alguns dos sinais e sintomas do câncer colorretal:

  • Sangue nas fezes (pode ser de coloração clara ou escura); 
  • Mudança injustificada de hábito intestinal; 
  • Diarreia ou prisão de ventre recorrentes;
  • Evacuações dolorosas;
  • Sensação de constipação intestinal;
  • Perda injustificada de peso;
  • Fadiga e fraqueza constante.

Estes sinais e sintomas são comuns a várias doenças gastrointestinais. Apresentá-los não caracteriza presença de câncer. Procure o médico para identificar a causa e receber o melhor tratamento para o seu caso.

 

O que é câncer colorretal hereditário?

Aproximadamente 5 a 10% dos casos de câncer de cólon são hereditários. Ou seja, são causados por mutações hereditárias (transmitidas entre as gerações).

Nos portadores dessas mutações, o câncer costuma se manifestar precocemente, antes dos 50 anos, e pode ser mais agressivo.

Na maioria dos casos de câncer colorretal hereditário há histórico familiar da doença. Como os genes que aumentam o risco desse tipo de câncer também estão relacionados a outros cânceres, esse histórico também inclui casos de câncer de mama e de ovário, entre outros.

As principais síndromes de câncer de cólon hereditário são a síndrome de Lynch (anteriormente conhecida como câncer colorretal hereditário sem polipose ou HNPCC) e a polipose adenomatosa familiar (PAF). 

 

Câncer colorretal hereditário: diagnóstico genético 

Pessoas que possuem histórico familiar de pólipos ou câncer colorretal têm risco aumentado de desenvolver câncer colorretal. Os testes genéticos podem ajudar a mostrar se membros de famílias com histórico de câncer herdaram mutações de alto risco.

Os testes genéticos para câncer colorretal hereditário analisam os genes associados à doença visando identificar mutações que podem alterar o funcionamento normal da célula. Como essas mutações estão presentes em todo o corpo, desde o nascimento, o exame pode ser realizado com amostras de sangue ou saliva, sem necessidade de biópsia.

O resultado do exame indica se a pessoa é portadora de alguma mutação que aumenta o risco de desenvolver alguns tipos de câncer ao longo da vida. Com essa informação, o portador pode traçar um acompanhamento individualizado com o seu médico e realizar medidas preventivas para minimizar o seu risco.

Além disso, o resultado do exame pode servir como um alerta para outros membros da família, que devem consultar um médico especialista para verificar qual o seu risco de desenvolver câncer hereditário.

É importante enfatizar que ser portador de uma dessas mutações não significa, necessariamente, que o câncer vá se desenvolver, mas sim que o portador possui um risco elevado de desenvolver a doença, quando comparado com a população não portadora.

 

Março Azul Marinho na Mendelics

A Mendelics oferece diversos exames para diagnóstico de câncer hereditário, incluindo o Painel de Câncer Colorretal Hereditário, que analisa mais de 40 genes associados ao desenvolvimento da doença.

Procure seu médico para saber mais sobre o câncer colorretal e qual o seu risco. Se houver necessidade de fazer um teste genético, entre em contato com a nossa equipe. 

Informe-se. Abrace sua genética e drible os riscos do câncer!

 


Referências: